O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo-verde (PAIGC) e o Movimento Democrático Guineense (MDG) manifestaram-se contra a privatização da Administração dos Portos da Guiné-Bissau (APGB)

As posições dos dois partidos foram tornadas públicas, esta quinta-feira (20/07), durante uma entrevista exclusiva á Rádio Sol Mansi, na sequência da conferência de imprensa dada, esta terça-feira, pelos funcionários da APGB que além de não terem a informação da intenção do governo, dizem estar contra a privatização que deverá durar 90 anos.

Entretanto, o secretário-geral do PAIGC, Aly Izaji, que solidariza com os funcionários, diz que o governo actual não tem competência de proceder a privatização da APGB porque “é uma empresa de um nível muito elevado e de importância fundamental para a Guiné-Bissau e não é uma empresa qualquer”.

“Devido a pressão sobre o cumprimento do acordo de Conacri o actual governo deve ponderar nos seus actos e nos compromissos a assumir para não trazer implicações para o governo futuro e para não criar caos num futuro próximo”.

Para os libertadores a decisão não deve ser tomada sem protelar concurso público e “numa altura em que Assembleia só funciona com o seu órgão interno”.

Aly Izagi diz ainda que o presidente da república pode resolver a situação porque “este é o seu governo”.

“Não se pode tomar decisão implicando to o povo guineense”, afirma.

Mesma opinião tem o líder do Movimento Democrático Guineense. Entretanto, Silvestre Alves diz ser “frontalmente” contra a ideia do governo porque não existem justificações para a privatização da empresa.

“Não sei se isso é justo e racional ou se é atitude das pessoas que têm cabeça sobre ombro para pensar. Estamos a estragar o nosso país. Não somos capazes de fazer nada e ainda estamos a privatizar o porto e quem começou este processo era para a sua conveniência”, critica.

Silvestre Alves diz ser absurdo e de ideia errada quando o Estado entrega a identidade de uma nação nas mãos de uma empresa privada.

A Administração dos Portos da Guiné-Bissau tem mais de 600 funcionários e segundo informações a empresa que deverá dirigir os portos diz estar em condições de suportá-los por um período de cinco anos.

O executivo deliberou o processo de privatização da APGB a 23 de Fevereiro corrente e, no entanto, os funcionários pedem a intervenção do presidente da república.

Entretanto, a RSM tentou mas ainda sem sucesso conseguir a reacção de outros partidos políticos, incluindo o PRS.

Sabe-se que os renovadores reuniram com o sindicato dos funcionários em causa e que depois irão reunir com o primeiro-ministro.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos 

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Subscreva notícias