O Fundo Monetário Internacional (FMI) defende esta terça-feira (14 Novembro) que seja estendida as reformas noutros ministérios como ministério das Finanças para estabilizar a positiva crescimento económica do país.

A ideia foi defendida depois da sessão de divulgação do estudo de perspectiva económica regional de Outubro de 2017 da Guiné-Bissau.

Óscar Melhado, o representante do FMI no país considerou de bastante positivo o crescimento económico do país fruto de produto de uma boa campanha de caju, para depois qualificar a execução mas disciplinada das finanças como condição para que haja investimento na área social concretamente na Educação.

A directora Nacional do Banco Central dos Estados da Africa Ocidental, (BCEAO) Helena Nosoline Embalo, destaca que há bom desempenho económico no país mas existe risco, por isso aconselha que seja encetada reformas estruturais a fim de melhorar o ambiente do negócio para poder potencial investimento.

«Há bom mas existe também riscos e venerabilidade por isso é necessário que o país encetado reforma estruturais que visam a consolidação das finanças públicas através de mobilizações das receitas», sublinha a directora Nacional BCEAO.

Entretanto, o ministro da Economia e Finanças, João Aladje Fadia admite que precisa ser conservado e implementado a política macro económica boa seguindo melhores práticas.

“Para conservar o crescimento económico do país nós precisamos de continuar a implementar políticas macroeconómicas boas seguindo melhores práticas nomeadamente no que diz respeito as receita e também assegurar a realização das despesas de qualidade”, Aponta o ministro.

Segundo, o ministro da Economia e Finanças, João Aladje Fadia a massa salarial da Guiné-Bissau actualmente é de 3.7 bilhões de franco CFA incluindo assembleia Nacional Popular e Embaixadas.

Por: Marcelino Iambi

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Subscreva notícias