A Secretária Executiva da Comissão Económica das nações Unidas para África (CEA) reconheceu que todos os anos 11 milhões de jovens africanos entram no mercado de trabalho e na maioria desses países, estes mercados de trabalhos são caracterizados por elevadas taxas de desemprego e muitas vezes de baixa renda.

 Vera Songwé que falava na abertura da 4ª reunião dos ministros do comércio da união Africana, realizada em Niamey, Niger nos dias 1 e 2 de Dezembro, disse que é necessário a transformação estrutural “das nossas economias para gerar empregos e oportunidades e a prosperidade aqui na África”.

Na Comissão Económica para Africa, CEA, segundo Songwé, estimam-se que eliminando tarifas a zona de comércio continental pode impulsionar o comércio intra Africano por 52% e através da redução de barreiras não-tarifárias, que pode ser dobrado, beneficiando o bem-estar dos Africano até a quantia de 22 bilhões de dólares.

 Por outro lado, afirmou que é imperativo seguir nas decisões dos chefes de estado e do governo na União Africana, “não prevaricar ou atrasar, mas mostrar ousadia e ambição, bem como comprometer, como podemos emprestar nossa liderança política para as questões remanescentes à mão e resolver para finalizar um texto acordado da comércio intra Africano permanente concentrada”.

A economista lembrou que há aqueles fora do continente africano comum olhar céptico em relação a este processo, “duvidando da nossa determinação e prevendo um processo zona de comércio intercontinental elaborada e demorado. É crucial não nos sucumbir a este risco, mas em vez disso, provar essas ideias erradas e certificar-se de que o nosso povo verá os benefícios do comércio intra Africano permanente concentrado, prontamente”.

«Há, no entanto duas áreas-chave que poderia atrasar a implementação da zona de comércio livre intercontinental e onde se aproxima 'inteligências' devem ser usadas para evitar esse risco:

A primeira é as regras de origem. Sabemos que negociar regras específicas de origem pode levar vários anos. Para superar este desafio, pode-se usar métodos provisório que nos permitem começar a implementação enquanto se aguarda a finalização de um anexo mais abrangente sobre as regras de origem, que pode ser desenvolvida durante um período acordado. Na verdade, esta foi a abordagem adoptada pela zona de comércio livre Pan-Árabes, ao qual 5 países da zona de comércio livre intercontinental estavam partido. Podemos tirar de seu bom exemplo», explica Vera Songwé.

Entretanto, apontou que a segunda área onde podem ter uma abordagem inteligente é as modalidades de bens. Pode levar anos para finalizar a solicitação e oferecer as negociações. Com efeito, o processo de solicitação e a oferta de negociações na zona de comércio intra Africano permanente concentrada ainda está em curso.

“O que sugerimos é para iniciar a implementação dos produtos já abrangidos em 90% ao nível de ambição, enquanto se aguarda a conclusão da solicitação e oferecer as negociações. Isto permitiria uma colheita precoce de mercadorias”, sugeriu.

No entanto, o presidente da comissão da União Africana, Moussa Kafi Mahamat lembrou que a integração do continente e a unidade dele são um sonho antigo realizado por gerações de promotores da causa Pan-Africano. “Se é verdade que passos significativos foram feitos, nós reconhecemos que estes resultados estão bem abaixo das nossas ambições”.

Apesar de uma proliferação institucional particularmente rica, disse, - oito comunidades económicas regionais que são além de muitas outras entidades dando como vocação a integração económica e uma infinidade de acordos e declarações relacionadas, a verdade das figuras comércio intra Africano mostra que o tempo é ainda a estrada que continua a ser feito.

Segundo ele, de estatísticas disponíveis, a quantidades de comércio intra Africano está a cerca de 16% total de transacções de negócios de todo o continente. Em comparação, essa percentagem é cerca de 70% para a União Europeia, 54 por cento para América do Norte e 51 por cento para a Ásia.

«No entanto a evolução do mundo e nossos próprios requisitos de desenvolvimento necessários acelerar o ritmo para mais integração. Eles também impõem dar efeito aos nossos compromissos para manter ou, pelo contrário, para restaurar a credibilidade da empresa em que estamos envolvidos».

O livre comércio continental deve fazer uma pausa fundamental: quebrar em ambição, invadindo a cadência, quebrar no seguimento, afirma o Comissario da UA.

«Deste ponto de vista, os progressos realizados desde o início do processo de negociações na área continental de livre comércio são muito encorajadores. Isto, como sabem, foi iniciado por nossos chefes de estado e de governo em Junho de 2015 em Joanesburgo. Embarcamos nesta empresa com um mapa de estrada viável, mesmo se ela é ambiciosa, já que o objectivo é concluir o processo de negociação neste mês de Dezembro».

Ao finalizar, considerou que muitas dotações do comércio livre continental “por nossas populações dependerá do sucesso final das nossas empresas. Também devem os Estados-membros sensibilizar todas as partes interessadas sobre os benefícios da área”.

De referir que os ministros do comércio dos países da União africana estavam reunidos, no passado dia (1 e 2 de Dezembro), na capital do Níger, na sua quarta reunião para analisar o quarto relatório da reunião dos altos funcionários do comércio e aprovar textos do acordo que vai instituir a zona de comércio intercontinental.

 Por: Nautaran Marcos có

Enviada especial de Rádio Sol Mansi à Niamey, Níger

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Subscreva notícias