O chefe dos recursos humanos do Estado-Maior das Forças Armada (EMFA), Julho Nhaté, garanti que arranca, esta quarta-feira (11), no centro da instrução militar em Cumeré, o treinamento de mas de oitocentos (800) jovens recrutados para cumprir o serviço militar

De acordo ainda com general Nhaté as especulações sobre a fuga dos jovens que se encontram no centro de instrução militar em Cumeré “não corresponde a verdade” porque até o momento não existem motivos para a fuga dos jovens neste centro.

“Durante estes dias estávamos na contagem dos recrutados, criando os números mecanográficos e dando-lhes os seus uniformes e amanhã inicia a preparação e agora porque alguém vai fugir”, interroga.

O responsável admite não informações fidedignas sobre a fuga ou não alguém.

“O número que eu tenho aqui, foi confirmado pelo centro mas se houvesse fugitivo receberíamos as informações”, reafirma.

Na mesma ocasião general Julho Nhaté mostra-se confiante com os instrutores treinados para preparar os jovens recrutados e “os jovens têm que aguentar o treinamento para poder cumprir com o exercício militar”.

“A preparação militar é que vai decorrer no centro, temos o caderno da preparação e temas que eles têm que cumprir com o exercício militar, dai que há necessidade de aguentar, por isso, que fizemos a inspecção para podermos levar um tropa fisicamente bom para poder aguentar e nós já tínhamos a cautela antes de eles chegarem, como sabemos os gentes que foram para o centro são gentes com o nível elevado portanto fizemos a celação dos instrutores e já tínhamos há muito tempo naquele curso dos oficiais, são gentes académico com a formação militar até com a ciência militar estão bem preparados e espero que os recrutados não vão ter duvida com os instrutores que estão no centro e outros até vão querer seguir esta carreira porque são rapazes muito brilhante”, explica.

Segundo Nhaté, entre 820 jovens 642 são rapazes e 178 raparigas, o treinamento do primeiro grupo termina no final de Novembro e em Janeiro começa o segundo grupo e o general garante que a força armada está com falta dos soldados nos quarteis e neste momento precisa-se de 2200 soldados para fechar planilha da força armada, “mas tudo dependerá da disponibilidade do governo”.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Braima Siga

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Subscreva notícias