31
Dec
2019

O Secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG) afirmou esta terça-feira que a luta da classe trabalhadora guineense nunca deve ser confundida com a luta da classe política.

Júlio Mendonça que dirigia a mensagem do final de ano aos trabalhadores justificou a sua afirmação que o fim das suas lutas não se destina a obtenção de vantagens políticas partidárias.

“ Aluta de classe dos trabalhadores guineenses, nunca deve ser confundida com a luta política partidária porque, o fim da mesma não se destina a obtenção de vantagens políticas partidárias, mas apenas, vantagens a favor das centrais sindicais”, afirma para depois realçar que “ apesar de termos aumentado a pressão sobre o governo, percebe-se que os dirigentes políticos continuam a ser insensíveis aos sofrimentos da classe trabalhadora guineense”.

Por outro lado, sublinhou que perante as violações permanentes dos direitos laborais, as organizações sindicais, enquanto legítimos representantes dos trabalhadores da Guiné-Bissau, “ jamais ficarão de braços cruzados a assistir o incumprimento sistemático dos deveres e obrigações do estado por parte dos governantes e consequente aumento de sofrimento da classe produtora da riqueza que o país dispõe”.

Para o efeito, o sindicalista garantiu que logo nos dias 7 a 9 de janeiro, vão paralisar a administração pública como única forma de pressionar o executivo.

“ Por motivos inerentes às violações do memorando de entendimento e direitos laborais consagrados em diversos diplomais emanados pelo próprio estado. Certo que, logo nos dias 7 ao 9 de janeiro de 2010, teremos uma paralisação na administração pública guineense como única forma de pressionar o executivo a respeitar o princípio da legalidade e dignificar a classe trabalhadora do país”, disse.

De referir que a maior central sindical paralisou a função pública oito vezes durante o ano 2019.

Por: Nautaran Marcos Có

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più