16
Jan
2020

A Guiné-Bissau vai ser palco de, 16 à 21 de Janeiro, do XIV encontro dos Bispos dos Países Lusófonos sob lema “O Dialogo Inter-religioso na Construção da Paz e do Desenvolvimento nos Países Lusófonos” durante seis dias.

O encontro rotativo de dois em dois anos dos Bispos tem como objectivo fortalecer a comunhão eclesial e promover a cooperação em prol das comunidades lusófonas.

Numa entrevista esta quinta-feira (16/1) sobre preparativos deste maior evento dos bispos lusófonos, Dom José Lampra Cá diz que o encontro permitirá os bispos partilhar as dificuldades assim como momentos fortes para perspectivar o futuro.

“Este nosso encontro na perspectiva religiosa, visa partilhar as dificuldades, momentos fortes de cada país e perspectivar para o futuro desde que ajudará para ser fiel a missão de Deus que é de viver o evangelho na sua radicalidade e de o testemunhar para os irmãos”, explicou o Bispo Auxiliar da Diocese de Bissau.

O segundo encontro realizado no país acontece numa altura do impasse político, relativamente a aceitação dos resultados da segunda volta das presidenciais, no entanto, o Bispo Auxiliar aconselha que caso houver interiorização das mensagens dos bispos ajudará o país a avançar para o desenvolvimento deixando assim o comportamento negativo.

“A nossa conferência é aquele que Deus pretende para cada homem, amor e o sentido de trabalho para investir na construção da paz e desenvolvimento integral das pessoas, por isso, se os participantes ou os que acompanham o encontro através da rádio interiorizam as mensagens, ajudará a Guiné-Bissau no seu avanço para o desenvolvimento como também juntados as mãos para deplorar o comportamento negativo dos nossos reesposáveis escolhidos nas urnas”, aconselhou dom José Lampra Cá.

Em relação aos cristãos perante o cenário político do país Dom Lampra Cá advertiu-lhes que têm dupla responsabilidade para agir correctamente para que haja paz e assim para que o desenvolvimento seja uma realidade na Guiné-Bissau.

“Os cristãos têm dupla responsabilidade não só no âmbito de dever como cidadão mais também, no seio das comunidades devem agir correctamente para que a paz seja conquistado e assim para que o desenvolvimento seja uma realidade na Guiné-Bissau”, diz.

O ponto mais alto deste XIV encontro dos bispos lusófonos vai ser a oração para a “Paz” na cidade de Bafatá, diante do comité de estado num só espirito do diálogo-inter-religioso entre muçulmanos, evangélicos e católicos.

Em princípio chegam a Bissau 11 bispos dos países lusófonos entre os quais Cabo-Verde, Moçambique, Brasil, São Tomé e Príncipe, Angola e Portugal e Timor-leste.

O bispo Dom Emanuel que representa o Brasil neste XIV encontro, já se encontra no país desde sábado passado e visitou a comunidade São Paulo VIº de Quebo no domingo da festa do baptismo de Jesus.

Por: Marcelino Iambi

 

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più