30 Actores intervenientes no sector da justiça estão reunidos, de hoje (22) até amanhã (23), em Bissau, num seminário sobre monitoramento de casos da mutilação genital com sistema da justiça

O encontro de dois dias é promovido pelo Comité Nacional para o Abandono das Práticas Tradicionais Nefastas a Saúde da Mulher e Criança.

Durante uma entrevista, a margem do encontro, o assistente da comunicação social do comité, Benjamim da Silva Sanca, sustenta que esta é uma das formas para diminuir a mutilação genal feminina na Guiné-Bissau sendo que a própria organização tem “muitos casos” que já foram entregues à Polícia Judiciária que depois foram encaminhados ao Ministério Público e ainda não foram resolvidos.

“Como os casos não estão a ser tratados, motiva as pessoas a cometerem o mesmo acto, por isso os actores intervenientes nos sectores da justiça são convidados para analisarem juntos a estratégia e caso vier a acontecer outro caso que seja tratado até ao fim”, explica.    

De acordo com Benjamim, as pessoas que não querem abandonar a pártica decidiram adotar uma nova estratégia, de submeter as crianças a extracção logo à nascença e sem conhecimento de ninguém.

“O último MICS do ano 2014 mostra que diminuírem quase 50% desta prática, ainda no ano 2018 fizemos um novo estudo provavelmente vai ser conhecido neste ano 2019”, alerta.

Benjamim da Silva sanca aconselha as pessoas na necessidade do abandono das práticas tradicionais contra a saúde da mulher e criança, facto que tem preocupado as autoridades nacionais e já existe uma lei que criminaliza a prática.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Turé da Silva

Imagem: Turé da Silva

Podcast

podcast

Escute quando quiser as emissões da Rádio Sol Mansi.

 

 

 

Ouvir

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più