O projeto Fórum de Paz disse que a paz está em risco na Guiné-Bissau, porque não existe a justiça social e a situação é caracterizada por entendimento no órgão de soberania e de vários casos das violências verbais.

Falando, hoje, a margem da abertura do espaço aberto promovido para os diálogos inter-religiosos, em Bissau, sob o lema “diversidade religiosa e laicidade do estado na terra ku no djunta”, o coordenador do projeto promete diligências da sua organização em inverter a situação, embora garante que “existem pessoas difíceis mudar a mentalidade”.

“Vamos dar a nossa contribuição, porque é um processo”, sustenta.

O Coordenador do projeto Fórum de Paz disse que a política está a dividir os guienenses, no entanto, pediu a união de toda comunidade religiosa lembrando que os líderes religiosos não devem misturar a religião e a política.

“Queremos ver o papel dos líderes religiosos na construção de uma paz duradoura na Guiné-Bissau”, pede José Carlos que também pediu os políticos para colocarem a Guiné- Bissau em primeiro lugar e para terem a responsabilidade compartilhada.

“Se não dermos os bons exemplos do nosso trabalho, os mais novos ou a nossa geração nunca mais conseguirão chegar a um cainho desejado. As pessoas da nossa geração já perderam o caminho e já estão contaminados2, lamenta.

O encontro de três junta vários líderes religiosos das diferentes confissões religiosas para uma roda de diálogos inter-religiosos. O Fórum de Paz quer que todos participem da roda de conversas e soluções serão apresentadas para a efetivação de uma cultura e paz e de irmandade.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più