As associações estudantis e associação dos pais e encarregados de educação divergem quanto ao prolongamento do ano lectivo 2018/2019 anunciado pelo governo até Dezembro.

O Ministério da Educação Nacional e Ensino Superior garantiu esta quinta-feira (8/9) que o governo não vai anular o ano lectivo 2018/2019 porque a implicação humana seria muito forte e, em termos económicos implicaria provavelmente um custo de 3 bilhões de francos cfa.

Em ralação a esta decisão o colectivo dos estudantes das escolas públicas e privadas do país CAEP, diz congratular com a decisão contudo, exige-lhe, o cumprimento íntegro dos planos apresentados para melhor funcionamento das aulas.

“ Cabe a ministério de educação estabilizar o sistema e, a nos fazer todas as exigências para o cumprimento do acordo assinado e planos apresentados, se os sindicatos do sector entrar novamente em greve a nossa organização vai posicionar duramente, mas não cabe a nos dizer se o ano lectivo vai ser ou não nulo, isso não nos compete” garante Alfa Umaru Só.

Enquanto isso um dos responsáveis da Carta 21 disse “não estarem de acordo com o prolongamento do ano lectivo” justificando que este devia ser o momento em que o governo devia estar a trabalhar para o começo das matrículas para o ano lectivo e não comprometerá o outro ano lectivo 2019/2020.

Posicionando sobre a decisão, o presidente dos pais e encarregados da educação, Armando Correia Landim, disse que o conhecimento não se salve porque salvar o conhecimento “ é sustentar a ignorância e fazer com que os pais e encarregados de educação invistam na ignorância”.

Por: Quina Nhaté

Podcast

podcast

Escute quando quiser as emissões da Rádio Sol Mansi.

 

 

 

Ouvir

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più