A partir de agora, A Guiné-Bissau conta com uma coral nacional, uma iniciativa da secretaria de estado de cultura, no âmbito das comemorações da festa da independência nacional, 24 de setembro e com vista a reabertura da escola de música.

A banda foi apresentada, esta terça-feira, no centro cultural franco Bissau Guineense, numa cerimónia que contou com presença de diferentes individualidades ligada a área cultural do país.

O secretário de estado da cultura, Francelino da Cunha, explica que a criação do coral nacional é um projeto dentro de um outro projeto maior que é retoma do funcionamento da escola de música que ficou paralisada a mais de 30 anos.

“Criarmos o coral nacional como forma de dizer ao público as nossas autoridades e os nossos parceiros internacionais que precisamos com muita urgência retomar a escola da música”, afirma o responsável.

Magda Robalo, alta comissaria para a luta contra COVID-19, disse que a Guiné-Bissau é um país “bastante” rico culturalmente, e “é tempo de retomar as tradições e transformar a indústria criativa no polo de desenvolvimento”.

“A Guiné-Bissau não explora suficientemente as suas potencialidades no domínio da cultura e isso é um fator em que não a ajuda a avançar no ponto de vista social, económico, cultural e até político” lamenta Robalo.

A iniciativa tem como intuito também de intervir musicalmente em momentos solenes e nas cerimónias nacionais de alto nível.

 

Por: Anézia Tavares Gomes

Podcast

podcast

Escute quando quiser as emissões da Rádio Sol Mansi.

 

 

 

Ouvir

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più