O director do gabinete do ministro do ambiente declarou hoje (12) que a Guiné-Bissau “é o país mais vulnerável às alterações climáticas podendo ser invadido a qualquer momento pelas águas do mar”.

Lourenço Vaz fez a revelação durante o lançamento do projecto “avaliação das necessidades tecnológicas” financiado pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente

“ Segundo as informações do Secretariado da convenção sobre as alterações climáticas, a GB, depois de Bangladesh é o país mais vulnerável, quer dizer que se não tomarmos as necessárias providencias, podemos ser a qualquer momento, invadidos pelas águas do mar”, declarou, acrescentado que “ o país tem de adaptar as condições impostas pelo acordo de Paris”.

O Acordo de Paris sobre o clima adoptado por 195 países em dezembro de 2015 traçou o caminho para um mundo sustentável através de mudanças drásticas na economia global.

O objectivo do Acordo é conter o aumentou da temperatura “muito abaixo de 2ºC” em relação à era pré-industrial e “continuar se esforçando para limitar este aumento a 1,5ºC.

O Acordo não especifica metas obrigatórias para cada país, como faz o Protocolo de Kyoto, de modo que cada nação deve determinar seus próprios objectivos de redução de emissões para 2025 ou 2030.

O coordenador do projecto Guilherme da Costa afirmou que o projecto é pra identificar necessidades em tecnologias com que vão trabalhar para poder enfrentar problemas agudas das mudanças climáticas. “ Vamos fazer um estudo para identificar as tecnologias que tem de entrar para adaptar e também mitigar problemas de mudanças climáticas. Na fase seguinte, haverá execução directa das tecnologias identificadas”.

De referir que o projecto tem a duração de três anos e será implementado a nível nacional.

Por: Nautaran Marcos Có

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più