Os Sindicatos dos Professores da Guiné-Bissau prometem não recuar na adesão da greve da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG), que termina no final do mês.

A posição do Sindicato democrático dos Professores (SINDEPROF) e a Frente Democrática dos Professores (FRENAPROF) foi manifestada, hoje, em conferência de Imprensa, que visa falar da actual situação do ensino.

Durante a sua alocução, Alfredo Biaguê, presidente de SINDEPROF falou na possibilidade da greve ser renovada no decorrer destes dias.

“A suspensão da greve é da competência do governo, o governo é que deve gerir esta matéria, e nós como sindicatos vamos gerir o que é nosso que é a greve”, sustenta.  

Relativamente ao processo de efectivação dos professores novos ingressos que neste momento decorre no país, Biaguê disse que os professores estão a ser exageradamente sacrificados.

“Por isso vamos apelar as autoridades competentes a simplificarem os processos de efectivação dos professores novos ingressos”, exorta.

O governo já deu o aval para a retomas das aulas em Bissau, suspensas há 1 mês devido aos casos confirmados nos alunos e professores de algumas escolas de Bissau. No entanto, o sector poderá ser condicionado porque os associados do Sindicato Democrático dos Professores e Frente Nacional dos Professores e Educadores prometem não votar às salas de aulas.

 

Por: Turé da Silva

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più