O Sindicato de Pessoal Contratado de Saúde do Hospital Nacional Simão Mendes (HNSM) manifesta, esta quinta-feira (04), a intenção de bicotar de novo os serviços do maior centro hospitalar do país, se o governo não pagar até próxima semana as dívidas de 8 meses dos salários atrasados.

A intenção foi manifestada pelo presidente do sindicato, Reinaldo Camala, em entrevista à RSM. O sindicalista disse que os exactores estão há 9 meses sem recebem os seus salários por razões desconhecidas.

Reinaldo Camala acusa o Ministério das Finanças de ter manifestado a intenção de privatizar alguns serviços do hospital e substituir alguns exactores em caso de investir financeiramente no maior centro hospitalar do país.

Camala pede que seja salvaguardado o direito dos exactores que estão na eminência de serem substituídos.

Em relação a intenção do Ministério das Finanças de privatizar alguns serviços e de substituição de exactores, Reinaldo Camala considera-a de desumano e de desrespeito à lei geral laboral.

Há duas semanas, o Sindicato boicotou o serviço reivindicando os seus salários atrasados de 8 meses, exigindo do governo melhor condição laboral.

A situação do hospital Nacional Simão é preocupante tendo em conta o número de pacientes que recebe ao nível Nacional. O hospital actualmente enfrenta problemas na produção do oxigénio, o que faz com que se encomenda no estrangeiro.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Quina Nhaté

Podcast

podcast

Escute quando quiser as emissões da Rádio Sol Mansi.

 

 

 

Ouvir

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più