O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, disse esta quinta-feira (14 de março) que a operação que levou à apreensão de quase 800 quilogramas de cocaína no país contou com a colaboração de senegaleses, franceses e ingleses.

"Esta apreensão é o resultado da importância que atribuímos à luta contra o narcotráfico, que assume proporções transnacionais, mas representa também uma colaboração efetiva que houve entre diferentes serviços e países da sub-região, sobretudo entre nós e os senegaleses, mas também participaram a polícia dos serviços franceses e ingleses", afirmou Aristides Gomes.

O chefe do Governo, que falava na sede da Polícia Judiciária, antes da cerimónia de incineração da droga, avaliada em 18 milhões de euros, salientou que o combate ao tráfico de droga só pode ser conjunto, porque não é um exclusivo da Guiné-Bissau, que é apenas país de trânsito.

"Nós estamos a combater e temos de combater em conjunto. O combate tem de estar na dimensão da própria ameaça. O terrorismo e a economia ilícita estão ligados e temos de continuar a travar esse combate", salientou.

A droga apreendida tinha como destino o Mali, para depois ser enviada para a Europa e Líbia e um dos suspeitos em fuga tem ligações à Al-Qaida do Magrebe Islâmico, segundo fontes da PJ.

Questionado pelos jornalistas sobre o apoio que deve ser dado pela comunidade internacional, o primeiro-ministro disse que deve ajudar com a "troca de informações".

"Todos temos de estar implicados. Nós temos de nos mobilizar em conjunto porque não é um combate exclusivo da Guiné-Bissau. A droga que passa por aqui não é consumida aqui, tem como destino outros mercados", afirmou Aristides Gomes.

Sobre esta apreensão a directora nacional da PJ, Filomena Maria Vaz Mendes, disse que a Polícia Judiciaria demostrou o seu engajamento na luta contra o tráfico de drogas, contudo lamenta a situação em que se encontra.

segundo ela, “é muito lamentável a PJ continua a enfrentar ainda uma situação gritante de falta de condições e meios materiais de funcionamento. Tristemente os valentes profissionais desta instituição auferem rendimento incompatíveis com o elevado risco profissional que quotidianamente enfrenta”, lamenta a directora nacional da polícia Judiciaria.

Os quase 800 quilogramas de cocaína foram apreendidos no sábado, véspera das eleições, e quatro pessoas foram detidas, nomeadamente um guineense, um senegalês e dois cidadãos do Níger. Um dos cidadãos do Níger é assessor do presidente do parlamento daquele país.

Por: Braima Sigá

Podcast

podcast

Escute quando quiser as emissões da Rádio Sol Mansi.

 

 

 

Ouvir

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più