Comercialização da castanha de Caju: UNIÃO NACIONAL DOS CAMPONESES EXIGE ABERTURA DA BALANÇA

A União Nacional dos Camponeses exige abertura da balança para permitir a concorrência na presente campanha de comercialização da castanha de Caju 2024.

A exigência desta organização camponesa vem numa entrevista telefónica à rádio Sol Mansi sobre análise da presente campanha de comercialização da castanha de caju 2024 perante medidas tomadas pelo governo.

O presidente da União Nacional dos Camponeses, Upa Vicente Gomes, disse que contudo observa a evolução da campanha de caju, sobretudo na fiscalização dos preços a que considera imperfeita.

“Observamos a evolução bem-sucedida nesta campanha da castanha de caju porque denota-se grande esforço do governo em fiscalizar os preços que não é ainda perfeita por isso exigimos que seja aberta a balança em Bissau para que no futuro possa houver aumento dos preços”, solicitou Upa Gomes.

Em relação a como os preços auxiliam em algumas zonas, Upa Gomes considera ainda inaceitável a perda monetário que o governo obriga aos camponeses.

“Temos a informação que em algumas zonas de fronteiras estão a comprar caju até 500 Francos CFA, neste caso imaginamos que se vender uma tonelada terá 500 mil quer dizer que o governo o obriga aos camponeses a perder 200 mil numa tonelada o que é inaceitável”, lamentou presidente da União.

O presidente da União Nacional dos Camponeses pede também aos agricultores a trabalharem na conservação da castanha de caju a fim de evitar a perda que segundo Upa o governo deveria ajudar os camponeses neste sentido.

“Apelamos aos camponeses que preparem bem as castanhas para evitar as perdas porque o governo podia ajudar-nos com a compra de sacos brutos para a conservação de caju”, salientou Upa Vicente Gomes.

Para o diretor-geral do Comércio Externo, Lassana Fati, a perspetiva do governo é que haja aumento de preço da compra de caju, por isso convida os agricultores a não venderem a castanha a menos do preço fixado.

“A perspetiva que temos é que haja aumento de preços da compra da castanha de caju porque os contatos que temos vindo a ter com diferentes empresários dos países compradores neste caso há toda possibilidade para tal por isso convidamos os agricultores para não vender os seus produtos menos de preço fixado pelo executivo”, garantiu Fati.

Importa referir que o fracasso da campanha dos dois últimos anos prejudicou a sobrevivência da população em que mais de 80% depende da campanha de comercialização da castanha de Caju.

 

Por: Marcelino Iambi

Escreva à RSM

email

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Subscreva notícias

© Radio Sol Mansi
Cookie Policy | Privacy Policy

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più