A União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG) deverá reunir, na manhã desta segunda-feira (07), com o patronato, no ministério da função pública, com vista a levantamento da greve em que começou, hoje (07). A greve de três dias decorrer até na próxima quarta-feira (09)

Numa entrevista exclusiva, á Rádio Sol Mansi (RSM), no primeiro dia da greve, o presidente da comissão negocial da UNTG, José Alves Té, diz que a greve vai prevalecer porque não acreditam no período de moratório pedido pelo governo. O sindicalista confirma que continuam estar abertos a negociações “até no último minuto”.

“Fizeram a proposta de 90 dias que vai até Agosto. O governo não disse que vai cumprir mas pediu um período para trabalhar porque disseram que acabaram de assumir o poder. Sabemos que o Estado é continuidade mas eles sempre têm esta justificação (acabamos de assumir o poder), então, até quando vamos sair desta situação”, interroga.

José Alves Té recorda ainda que o pré-aviso chegou ás mãos do governo há mais de um mês mas foram chamados sem proposta concreta, no entanto, lembra que o país prepara às eleições legislativas.

“Daqui a algum tempo todos os membros do governo estarão no terreno para fazer campanha”, justifica.

Depois do encontro, os sindicalistas têm agendado uma conferência de imprensa onde, entre outros, deve-se falar da greve em curso.

Para a suspensão da greve, os sindicalistas exigem a aplicação imediata da nova grelha salarial aprovada pelo governo de Umaro Sissoco Embalo, o pagamento integral das dívidas do ano de 2003 aos servidores públicos.

Também um dos pontos em reivindicação é a resolução imediata da situação dos trabalhadores dos correios, a instituição imediata do fundo de pensão e do abono de família para os servidores públicos entre outros.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Subscreva notícias