10
Jan
2020

O primeiro-ministro reconhece que uma das fraquezas da Guiné-Bissau é a reconstituição do Estado. A declaração foi depois da inauguração do novo sistema de gestão de dados do registe criminais concebido com financiamento do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Aristides Gomes disse que é fundamental a modernização da nova tecnologia para conservação dos dados.

“Um Estado que não consegue ter a memória da sua população é um Estado que não tem capacidade de controlar a evolução da sua população, e por conseguinte de programar o seu desenvolvimento”.

Por outro lado Aristides Gomes disse que é possível mudar esta situação que o país se encontra através da consolidação das instituições do Estado.

“Portanto esta realização que consiste na informatização do processo de construção desta memória, de ter a capacidade de conferir uma grande fiabilidade a 100% aos registos criminais faz parte destes progressos que nós precisamos de desenvolver e consolidar. Portanto eu acho que temos razões para ter confiança que no futuro é possível, de facto, nós mudarmos esta situação através da consolidação das instituições do Estado”, sustenta.    

O primeiro-ministro, no mesmo acto, reconhece que uma das fraquezas da Guiné-Bissau é reconstituição do Estado.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Turé da Silva

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più