O Presidente da República (PR), José Mário Vaz, começou, na manhã desta segunda-feira (16), na presidência da república, auscultações que deverão culminar com a nomeação, esta tarde, de Aristides Gomes - o novo primeiro-ministro da Guiné- Bissau

A decisão faz parte da nova estratégia desenhada para a saída da crise política guineense que inclui serie de medidas que devem começar a ser implementadas ainda este mês de Abril.

E, o consenso para nomeação de Aristides Gomes saiu da cimeira extraordinária da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) que decorreu, este sábado (14), em Lomé - Togo.

De regresso um dia depois do presidente da república, o líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, em declarações à imprensa, no aeroporto de Bissau, disse que a cimeira extraordinária da CEDEAO foi mais uma oportunidade dada a Guiné-Bissau, justificando que os conjuntos de resoluções saídas do encontro vai permite desbloquear a aplicação de acordo de Conacri e, no entanto, “reforçar Estado de direito democrático para que o novo ciclo seja isento de conjunto de perturbação vividos durante a crise”.

Para Martina Moniz, que liderou a delegação do PRS (a segunda força política do país), o encontro “foi bom”, porque as partes alcançaram um consenso a volta da figura de um novo primeiro-ministro e a data para reabertura da ANP (parlamento), “aspectos que se forem cumpridos pode pôr fim a crise política” que perdura há quase três anos.

Lembre-se que, este sábado (14), a chegada ao país após também ter participado na reunião, o presidente da república, José Mário Vaz, prometeu que, até hoje (segunda-feira), irá concluir a parte que lhe compete.

A data da nomeação do primeiro-ministro, a data da abertura da ANP, e a data para as próximas eleições legislativas, são os três elementos mais importantes que constam no comunicado final da cimeira extraordinária da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO),

Governo de consenso

Entretanto, num olhar atento sobre a escolha do novo primeiro-ministro, o comentar permanente da Radio Sol Mansi (RSM), Rui Jorge Semedo, faz uma chamada de atenção sobre as declarações do presidente da república que menciona a formação de “um governo de consenso”.

Do ponto de vista politólogo devia ser um governo inclusivo para evitar precedentes que podem criar mais desentendimento na formação do governo.

Para a criação de condições efectivas para tirar o país dos marasmos, o comentar permanente da RSM, Rui Jorge Semedo, aponta a partir de já um diálogo sério entre o PAIGC e PRS com uma “noção clara” para formação de um governo.

Desta vez os guineenses, mais uma vez, continuam esperançados e um consenso depois de dois anos da crise.

Parlamento reabre

Entretanto, este domingo (15), o presidente de Assembleia Nacional Popular, Cipriano Cassama promete que, ainda esta segunda-feira, será feita a convocatória da comissão permanente para a realização de uma secção extraordinária, na próxima quinta-feira (19), onde deverá ser discutido dois pontos, nomeadamente, a nomeação da nova direcção da Comissão Nacional das Eleições (CNE) e o prolongamento da legislatura que deverá terminar no dia 23 do mês corrente.

De acordo com o líder do hemiciclo guineense, a sanção imposta às 19 figuras nacionais continua e o seu levantamento depende da vontade dos partidos políticos e o sucesso de formação de novo governo.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Amade Djuf Djalo

Podcast

podcast

Escute quando quiser as emissões da Rádio Sol Mansi.

 

 

 

Ouvir

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Subscreva notícias

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più