29
Sep
2017

O secretário-nacional do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo-Verde (PAIGC), Aly Izagi, diz que as declarações do primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embalo, em ordenar a prisão às pessoas que “insultarem” as autoridades nacionais, não são dignas de um líder

Izagi falava, esta sexta-feira (29), em exclusivo á Rádio Sol Mansi (RSM), aconselha ainda Sissoco Embalo a ponderar nos seus discursos “antes de tomar decisões onde ele próprio irá quebrar as suas decisões”.

“Não sabemos se o posicionamento de Umaro Sissoco Embalo tem um suporte legal. E o próprio primeiro-ministro se parasse de insultar as pessoas seria muito bom. Ele considera as pessoas de Lion Brand e eu mesmo fui vítima das suas expressões”, critica.

Para Aly Izagi quem insulta as pessoas também recebe em troca o mesmo procedimento.

“Não ofendas as pessoas mais velhas ou mais nova porque irás receber a mesma moeda em troca. O que estamos a ver é o abuso da autoridade porque estas pessoas estão a gozar de muita impunidade. Pensamos que a justiça na Guiné-Bissau deve funcionar para podermos sentir protegidos pela lei”, sustenta.

Aly alerta ainda que na Guiné-Bissau vive-se numa sociedade que leva a degradação para o sistema primitivo (o mais forte lidera).

Na passada terça-feira (26) o primeiro-ministro diz quer governo vai acabar com “indisciplina” que se verifica no país porque “as pessoas entendem que insultar o presidente da república é prestígio”.

O alerta também estende-se aos outros órgãos da soberania e segundo ele “mesmo que se fosse o presidente do parlamento, Cipriano Cassama, que é um lion brand (insecticida que mata mosquitos) ”.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Baió Dansó

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più