19
Mar
2020

Todos os mercados e cacifos da capital Bissau inclusive os que vendem os produtos da primeira necessidade foram fechados, esta manha, pelas forças de segurança.

A medida vem na sequência da decisão anunciada pelo governo de Nuno Nabiam no combate a pandemia do coronavírus

O Governo, esta terça-feira (17), ordenou a suspensão de todas as actividades que aglomeram as pessoas e o encerramento das fronteiras e os mercados do país de forma parcial como medida da prevenção ao covid-19.

O que a nossa reportagem constatou é que até os cacifos que vendem os produtos da primeira necessidade foram fechados.

Entretanto, a Rádio Sol Mansi fez ronda esta quinta-feira aos diferentes mercados da capital Bissau onde constatou que os mercadores estão a cumprir com a decisão regida pelo governo, mas verificou-se que, apesar de a medida ter permitido a venda dos produtos da primeira necessidade, tais como, arroz, cebola, batata e de mais outros produtos, constatou-se que todos os boutiques, cacifos e as lojas que ficam nas imediações do mercado de Bandim, de Caracol e do Bairro militar, estavam fechados em cumprimento com a decisão tomada pelo executivo.

Soube a Rádio Sol Mansi junto de um agente policial que estava de serviço no mercado de Bandim de que, logo nas primeiras horas do dia, as mulheres que vendem na subida de cabana não queriam retirar daquele lugar, mas no entanto, foram retiradas pacificamente pelas forças de segurança. Segundo a mesma fonte, as vendedeiras acusam as forças de má-fé.

A nossa reportagem viu que havia apenas um balde de água com lixivia na zona de chapa de Bissau, na qual, as pessoas lavavam as mãos.

Entretanto, no mercado do Bairro Militar as mulheres vendedeiras foram igualmente retiradas pelas forças de seguranças também de forma pacífica. O facto aconteceu desde as primeiras horas do dia.

Nesses referidos mercados que a nossa reportagem percorreu, verificou-se que havia poucas medidas de prevenção de coronavírus tendo em conta o fluxo das pessoas que continuam a verificar-se na berma da estrada concretamente na chapa Bissau.

Os transportes públicos, por exemplo toca-toca, continuam a circular normalmente aglomerando mais de 20 pessoas.

O Presidente, Sissoco Embalo, revelou, ontem, que o país está em alerta por um inimigo invisível [coronavírus], por isso, decidiu que se encerassem todas as fronteiras e os mercados do país de forma parcial como medida da prevenção ao covid-19.

Os guineenses estão na eminência de sofrer a fome tendo em conta o fecho dos lugares pelos comerciantes no qual vendem o arroz, um dos produtos preciosos para o consumo guineense.

A medida de prevenção do coronavírus anunciado pelo governo obriga o fecho dos restaurantes e bares ou vendas de alimentos cozidos, mas até ontem a noite a medida não estava a ser cumprida.

Por: Quina Nhaté

          

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più