08
Jan
2019

As aulas nas escolas públicas vão retomar esta quarta-feira, dia 9 de Janeiro, fruto do acordo alcançado no princípio da tarde desta terça-feira (8 de Janeiro) entre o governo e os sindicatos do sector do ensino público guineense, facto que deixou os alunos satisfeitos.

Visivelmente satisfeito estava o coordenador do grupo de estudantes autodenominada iniciativa “Carta-21”, Franique Alberto da Silva que aproveitou ocasião para anunciar que vão prosseguir com os seus trabalhos já na sexta-feira.

“É isto que demonstra que queremos as aulas. Fazer pressão na base de organização. Mas para nós ainda não terminou, vamos fazer uma proposta de pacto de estabilidade de dez anos para impedir mais greves no sector de ensino. Tenho a plena certeza que amanhã, todos os alunos das escolas públicas vão as aulas”, mencionou o estudante.

Os principais pontos de acordo entre o governo e os sindicatos estão o entendimento sobre o pagamento dos contratados e dos novos ingressos, a calendarização das dívidas atrasadas com os professores bem como a implementação do estatuto de carreira docente que já está promulgado pelo presidente da República.

Depois das formalidades de assinatura de acordo, o ministro da educação Nacional, Camilo Simões Pereira, disse que era urgente chegar a um acordo entre as partes para viabilizar o início das aulas nas escolas públicas.

“Era urgente chegar a um acordo entre as partes, porque o que estava em causa e continua estar, é o destino das nossas crianças, e nós não queríamos que seja nós a declarar o ano nulo nas escolas públicas. Mas acredito que vamos continuar a trabalhar para que cada parte possa cumprir com as suas obrigações”.

Em representação dos três sindicatos dos professores, (SINAPROF, SINDAPROF SIESE), Domingos de Carvalho, pede aos professores a começarem a partir desta quarta-feira as actividades docência uma vez que já é alcançado acordo entre as partes.

“Quero afirmar aqui em nome dos três sindicatos que ao longo deste três meses que estamos em greve de que felizmente hoje chegámos a um acordo com o patronato, por isso, a partir de amanhã todos os professores devem começar as suas actividades de docência”, pediu o líder sindical.

Por sua vez, o representante dos pais e encarregados de educação dos alunos, Abu Indjai, mostrou-se satisfeito com o acordo alcançado tendo apelado aos pais e encarregados de educação no sentido de mandarem os seus educandos a escola.

“Estamos muito satisfeitos e pedimos a todos os pais e encarregados de educação no sentido de mandarem os seus educandos a escola porque a greve acabou, e não devemos perder nem um minuto das aulas”, solicitou.

Assinatura do acordo teve lugar no ministério das finanças na presença do chefe do governo, o titular da pasta da educação, os responsáveis dos três sindicatos, representantes de pais e encarregados de educação e as organizações da classe estudantil do país.

Por: Braima Sigá

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più