13
Jan
2020

 O governo chinês manifestou interesse em reforçar laços de contacto entre a comunidade muçulmana guineense e a da China.

A intenção da china foi manifestada hoje (13/1) pelo seu embaixador na Guiné- Bissau a União Nacional dos Imames da Guiné- Bissau num encontro que visa inteirar da situação da comunidade muçulmana na Republica popular da china

O embaixador Jim Hon Jum desse acreditar que no futuro com engajamento de todos a Guiné-Bissau pode ser mais próspero e negou qualquer informação sobre mau trato de muçulmanos na China.

“ Hoje tive oportunidade de falar com o presidente da União Nacional dos Imames da Guiné-Bissau para analisar a forma que os muçulmanos chineses e muçulmanos guineenses possam ter mais contacto, mais intercâmbios para que a China possa ajudar além de grandes projectos da cooperação e também ter pequenos apoio para comunidade muçulmana guineense”.    

Por seu lado, Aladji Abubacar Djaló presidente da União Nacional dos Imames endereçou a solidariedade da comunidade guineense, tendo declarado contra o radicalismo religioso.

“O nosso Islão é moderado. Pedimos para que haja sempre a convivência entre religião no mundo, é por isso que ninguém deve tirar a vido do seu irmão porque quem deve fazer a justiça é único Deus, é esta a razão para a convivência entre as religiões”.

Por: Redacção/ Turé da Silva

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più