26
Jan
2018

O Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas disse, esta quinta-feira (25 de Janeiro) que a paz e estabilidade na Guiné-Bissau dependem dos oficiais militares e paramilitares

Biaguê Na Ntam falava durante o acto de tradicional cumprimento do novo ano dos oficiais militares e paramilitares ao Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Revolucionárias do Povo.

Segundo Na Ntam é preciso que as chefias militares e paramilitares mantenham na paz e tranquilidade para permitir o povo continuar a realizar as suas actividades normais.

“A estabilidade e o sucesso na Guiné-Bissau depende das Forças Armadas, por isso os oficiais militares, paramilitares e soldados devem recusar convites baratos para destabilizar o país”, adverte.

“É preciso que a classe castrense contínua inabalável no cumprimento da Constituição da República e demais leis vigentes no país a fim de permitir o povo durmam bem e sem sobressalto”, atirou.

O Chefe de Estado-maior General das Forças Armadas destacou o ano 2018 de prioridade para formação da classe castrense como também aposta na agricultura para aumento a produção de arroz para ajudar o governo no seu programa de combate à fome e na recuperação das infra-estruturas militares.

Biaguê Na Ntam, por outro lado, mostrou-se determinado para que haja a paz e estabilidade no país por isso exorta as chefias militares para que continuem no bom caminho realçando a união da força da defesa e segurança, postura e colaboração mostrada pelos Oficias militares durante a crise política no país.

Segundo, o Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, Biaguê Na Ntam, o grande desafio que a classe castrense tem pela frente é apresentação da “Força da Alerta” até final do mês em curso a CEDEAO como um dos pontos saídos na cimeira da Libéria.

Durante o acto, Biaguê recebeu vários prémios, entre os quais um certificado de mérito, pano tradicional de pente e um livro que relata as actividades realizadas durante os quatro anos do seu mandato.

 

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Marcelino Iambi

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più