10
Oct
2016

 

Os atores políticos signatários do acordo da CEDEAO, entidades religiosas, organizações das Nações Unidas, partidos políticos com assento parlamentar e individualidades partiram hoje para Conacri para a derradeira reunião com o Presidente da Guiné-Conacri, Alpha Condé, na qualidade de mediador da CEDEAO para a crise política na Guiné-Bissau.

Os políticos da Guiné-Bissau falam em humilhação e vergonha para a classe, o facto de terem que ir a Conacri negociar soluções internas que poderiam ser encontradas em Bissau.

O presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, disse que vão a Conacri formalizar a demissão do Governo de Baciro Djá e consequente formação do novo Executivo Inclusivo e de Consenso. Cassamá afirma que os quinze deputados dissidentes do PAIGC deverão voltar ao partido imediatamente. "Não vamos sair de Conacri sem uma solução neste sentido", disse.

Florentino Mendes Pereira, Secretário-geral do partido da Renovação Social, afirma que o seu partido já entregou a sua proposta para a saída da crise ao Presidente da República.

Num tom exaltando Florentino afirma ser uma vergonha ter que ir Conacri, sem uma agenda em mãos. "É como se estivéssemos a ser obrigados a aceitar um acordo que nós assinamos. O povo guineense não merece tamanha humilhação", atira.

Entretanto, a Sociedade Civil propõe um primeiro-ministro independente dos partidos caso não for encontrado uma solução em Conacri.

Os quinze deputados saídos do PAIGC também fazem parte da comitiva mas não prestaram declarações a imprensa

No entanto, sobre o assunto ouvimos a voz dos populares que manifestaram descontentamento e revolta com a situação do país.

Neste momento as atenções estão voltadas para Conacri onde deverá mais uma vez ser decidido o destino do país.

Por: Yasmine Fernandes

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più