Santa Sé pronta para mediar paz na Ucrânia, mas são necessárias negociações

Michele Raviart - Cidade do Vaticano

“A Santa Sé deve estar pronta, deve estar disponível” para colocar os seus bons ofícios à disposição de todos, como pede o Papa, mas “neste momento as ambições das partes em conflito não correspondem a uma grande iniciativa de paz”. "Esperamos chegar a este ponto em um futuro próximo", disse o arcebispo Paul Richard Gallagher, secretário para as relações com os Estados e organizações internacionais, falando em entrevista a jornalistas à margem da conferência "A guerra na Ucrânia e  'profecia pela paz'”, promovida pelo movimento "Comunhão e Libertação", realizado na tarde de sexta-feira na Pontifícia Universidade Urbaniana.

As partes sempre dizem que "talvez haja um papel para a Santa Sé, mas para conseguir uma paz justa é preciso negociações" e “não parece que as partes estejam prontas ou que falem uma linguagem que uma possa aceitar as propostas da outra. Ainda estamos numa situação de conflito, de guerra e esta é a linguagem de agora”.

Crie uma nova cultura de paz

O arcebispo reiterou que a Santa Sé está ativa "para conversar, para discutir, para encontrar pessoas no Vaticano, para receber visitas de embaixadores", mas que no momento não há muito o que esperar, "porque o clima de conflito não é muito aberto." O Papa, reiterou o arcebispo Gallagher, “fala continuamente sobre a guerra” e o que é preciso fazer é “criar uma nova cultura de paz e criar estruturas que possam promovê-la na Europa”.

Uma situação grave para a Ucrânia, a Europa e o mundo

Uma Europa, sublinhou, que talvez seja um pouco habituada a não se envolver nestes acontecimentos: “Sempre pensamos que a guerra é impossível na Europa, agora aprendemos que somos pobres seres humanos como todos os outros”. “Não há nenhuma parte do mundo onde esta guerra não tenha tido impacto” e por isso o convite às instituições e grupos de pessoas é aquele de pensar fora dos esquemas para encontrar uma solução.

"Nada deve ser descartado", porque "a situação é tão grave, não só para a Ucrânia em particular e para toda a Europa, mas também para o mundo". "Devemos", além disso, "continuar a rezar e implorar, porque talvez  somente a ajuda divina vai nos tirar dessa situação”.

Papa Francisco não irá a Kyiv no momento

Nesta fase, confirmou o secretário para as relações com os Estados, Francisco não irá a Kyiv. "O Papa tem sempre presente este convite, mas penso que quer fazer esta visita no momento mais oportuno e por agora parece que não é o momento", como testemunha também o que aconteceu durante o Natal ortodoxo, com "a impossibilidade de convencer as pessoas do valor de uma trégua".

Quanto às relações com a Rússia, o arcebispo Gallagher reiterou que mantém contatos apenas com a embaixada junto à Santa Sé e não com outras personalidades ou grupos contrários à guerra. “A população da Rússia, acredito que apoie a política de seu governo. Se ela está bem informada, isso é outra questão…”, comentou. “Há quem por várias razões não aceite esta política, os jovens que partiram para a Geórgia depois da mobilização, há quem tenha sido detido pelas suas opiniões”, mas “não parece que seja um movimento de massas neste momento na Rússia".

O direito a uma justa defesa proporcional

Nos últimos dias, novos armamentos chegaram à Ucrânia enviados pelos aliados. "Sempre defendemos que a Ucrânia tem direito a uma defesa justa", mas esta "deve ser uma defesa proporcional". “Esses armamentos têm um custo tremendo”, mas “o que não queremos e acho que ninguém quer é que esse seja realmente um motivo para escalar o conflito. Queremos que este seja um motivo para promover a paz e ajudar todas as partes a perceberem a gravidade da situação", porque, como havia dito no discurso anterior na conferência, "não devemos cair no risco do vício e da indiferença diante das numerosas mortes de civis e ambientes urbanos e naturais”.

A corrida armamentista

Em seu discurso, o arcebispo Gallagher disse estar preocupado com a aceleração do rearmamento que estamos assistindo. Em 2021, de fato, pela primeira vez o gasto militar mundial ultrapassou dois trilhões de dólares, um valor o dobro de 2000 e decididamente superior ao da Guerra Fria.

De fato, 2,2% da riqueza mundial destina-se a gastos militares e isto apesar de a economia do planeta ter contraído 3,1%. "São recursos", disse Gallagher, "inevitavelmente desviados de investimentos voltados para a promoção do trabalho, da saúde, do combate à fome, do desenvolvimento" e que poderiam ser destinados a enfrentar "as ameaças à segurança do século XXI, como a pobreza , questões ambientais, terrorismo, conflitos assimétricos" ou fenômenos como a pandemia e o aquecimento global".

Tarquínio: a Igreja é a única voz autorizada pela paz

“1Bastaria 10% do que se usa para se armar para acabar com a fome no mundo”, reiterou o diretor do jornal Avvenire dos bispos italiano, Marco Tarquinio, em outro pronunciamento, reiterando como durante a pandemia o mundo gastou em armas o mesmo dinheiro que gastou com saúde e muito mais do que é destinado à educação. Neste terrível inverno de conflitos, Tarquínio reiterou que a Igreja é a única voz "alta, firme e convincente" a falar de paz, num mundo onde todas as guerras desde 1945 terminaram com tensões ainda maiores e onde, além da Ucrânia, existem outros 160 conflitos abertos, como Síria e Iêmen.

Prosperi: parece impossível falar de paz, mas não devemos perder a esperança

Neste sentido, parece cada vez mais necessário acompanhar o Papa "na profecia pela paz", como afirmou no passado dia 15 de outubro, quando recebeu em audiência os membros do Comunhão e Libertação e quando disse estar assustado com "uma situação cada vez mais violenta e mundo guerreiro".

"Parece impossível hoje falar de paz", sublinhou novamente Davide Prosperi, presidente da fraternidade Comunhão e Libertação", mas devemos trabalhar tendo em mente o que já aconteceu, também apoiar a memória do que aconteceu historicamente, sobretudo em A Europa, pronta para quebrar todos os padrões, todos os preconceitos, mesmo na relação com aqueles que talvez sejam 'legalmente' considerados inimigos”. Uma busca incansável pela paz, reiterou, que levou a Comunhão e Libertação a iniciativas como projetos de acolhimento de refugiados nas famílias, ou a ajuda educacional e psicossocial para as crianças deixadas na Ucrânia ou o projeto internacional "hospitais abertos" na Síria. A tarefa que sentimos como cristãos", acrescentou Prosperi, "é testemunhar neste trabalho cotidiano que só a esperança constrói" porque, como ensinava padre Giussani, "a esperança é a certeza do futuro em virtude de uma realidade presente que é Cristo".

Escreva à RSM

email Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Subscreva notícias

© Radio Sol Mansi
Cookie Policy | Privacy Policy

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più